Pages Menu
TwitterFacebook
Categories Menu

Posted by on mar 5, 2013 in Avaliação Educacional, Educação Superior, MEC | 0 comments

Novo Instrumento de Avaliação de IES

ROBERTA MURIEL CARDOSO – REVISTA GESTÃO UNIVERSITÁRIA – 05/03/2013 – BELO HORIZONTE, MG

O INEP, por meio da Nota Técnica Nº 08 CGACGIES/DAES/INEP, apresentou proposta de um novo Instrumento de Avaliação para as Instituições de Ensino Superior – IES, elaborado pela Comissão de Revisão dos Instrumentos, aprovada pela CONAES e pelo CNE em reuniões realizadas em dezembro de 2012 e janeiro de 2013.

Este novo instrumento proposto traz inúmeras modificações e parece se aproximar bem mais das finalidades do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES do que o instrumento utilizado até então.

A avaliação, conforme a proposta do SINAES, exige um instrumento flexível que possibilite um diálogo entre o avaliado e o avaliador, buscando a formação de sentido por meio de uma análise quantitativa e também qualitativa.

O novo instrumento, se bem utilizado por avaliadores capacitados, pode garantir os princípios definidos nas Diretrizes do SINAES que são o respeito à diversidade e à identidade das instituições de ensino, fundamentais para o apoio que estas IES precisam na busca pela qualidade da educação que oferecem.

O instrumento organiza-se em cinco eixos em que estão incluídas as dez dimensões definidas pela Lei 10.861/2004.

Este novo instrumento será utilizado para subsidiar os atos de credenciamento e recredenciamento de instituições de ensino para oferta presencial, além de subsidiar atos de transformação de organização acadêmica das IES.

Em cumprimento à legislação, o INEP tornou pública a proposta buscando um diálogo com as IES que poderão se pronunciar com sugestões acerca do novo instrumento que terá sua versão final apresentada no dia 15 de março de 2013.

O novo Instrumento de Avaliação Institucional Externa será um dos temas discutidos em nosso Curso de Atualização – Novas Regras que Envolvem a Avaliação e a Supervisão, que será realizado no dia 18 de março de 2013 em Belo Horizonte.

Facebook Twitter Email
Read More

Posted by on dez 12, 2012 in Avaliação Educacional, Ciência, Educação Superior, MEC, Pesquisa, SINAES | 0 comments

Criação de instituto de avaliação e regulação do ensino superior é debatida na Câmara

Fonte: HELOISA CRISTALDO - AGÊNCIA BRASIL – 11/12/2012 – BRASÍLIA, DF

A criação de um instituto para avaliar e regular o ensino superior no país foi debatida hoje (10) em audiência pública na Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados. O Instituto Nacional de Supervisão e Avaliação da Educação Superior (Insaes), novo órgão do Ministério da Educação (MEC), também será responsável pela certificação das entidades beneficentes que atuam na área de educação superior e básica.

A medida visa a ampliar o processo de avaliação do ensino superior, a partir de critérios que incluam, por exemplo, resultados no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) e o atendimento à exigência do MEC de um número mínimo de mestres e doutores em universidades e centros universitários. O novo instituto ainda terá atribuição de aprovar previamente aquisições, fusões e cisões entre universidades.

O novo instituto poderá autorizar e renovar o reconhecimento de cursos de graduação e sequenciais. O Insaes vai poder decretar intervenção em instituições de educação superior. Como sanção aos infratores da lei, o instituto poderá desativar cursos, reduzir o número de vagas, suspender a autonomia ou descredenciar instituições, dar advertência ou multas de R$ 5 mil a R$ 500 mil.

Segundo o secretário de Regulação e Supervisão de Educação Superior do MEC (Seres), Jorge Messias, a multa não terá caráter arrecadativo, mas funcionará como punição às entidades de ensino com má qualidade. “Essa penalidade é compatível com o sistema financeiro que temos hoje em favor da qualidade no ensino superior”, disse Messias.

O instituto, segundo a nova lei, será composto com o atual quadro de servidores da Seres e prevê a criação de 350 cargos de especialista em avaliação e supervisão da educação superior, 150 de analista administrativo e 50 de técnico administrativo.

A criação de cargos, no entanto, é questionada pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior. Para o diretor da entidade, Sólon Hormidas Caldas, o MEC está interessado na criação de uma fonte de empregos e “a criação de um órgão novo não vai agregar nenhum valor para a melhoria da qualidade da educação superior brasileira”.

O instituto assumirá uma tarefa que atualmente é do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), de renovação e reconhecimento de cursos de graduação. Entretanto, o Enade, um dos instrumento do MEC para avaliar a qualidade dos cursos e instituições de ensino superior públicas e particulares de todo o país, continuará sob a responsabilidade do Inep.

Para a coordenadora-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino, Madalena Guasco, defensora do projeto, “é urgente que o MEC fortaleça seu papel de supervisionar, fiscalizar e criar condições para os ciclos avaliativos da educação superior”.

O projeto, que tramita em caráter conclusivo e em regime de prioridade, ainda será analisado pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara.

Facebook Twitter Email
Read More

Posted by on dez 10, 2012 in Avaliação Educacional, SINAES | 0 comments

Cálculo do MEC beneficia instituições privadas e dificulta descredenciamento de curso superior

Fonte: CRISTIANE CAPUCHINHO – UOL EDUCAÇÃO – 09/12/2012 – SÃO PAULO, SP

As mudanças adotadas no cálculo da avaliação dos cursos de ensino superior feito pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas) aumentaram as notas das instituições de ensino superior, tornando assim mais difícil o descredenciamento dos cursos, segundo os especialistas ouvidos pelo UOL.

Este ano, o MEC (Ministério da Educação) alterou o peso dado a cada componente de avaliação: perderam peso na nota dos cursos o número de docentes com título de doutor e o desempenho dos alunos; ganharam valor as condições físicas e o projeto pedagógico do curso.

Com as mudanças, a maioria dos cursos conseguiu pontuação maior do que teriam na fórmula usada até 2010. Uma simulação feita pelo professor de estatística Helio Radke Bittencourt, da PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica), indica que a nova ponderação aumenta as notas obtidas pelos cursos.

Quando replicada a nota dos alunos concluintes para os alunos ingressantes, `os cursos de instituições públicas ganharam cerca de 7 pontos com os novos critérios, as privadas tiveram majoração de, em média, 17 pontos`, apontou o professor.

Isto é, um curso avaliado com 193 pontos no cálculo antigo alcançaria a faixa 2 –e assim corria o risco de perder o credenciamento do MEC. Se o mesmo curso apresentasse desempenho semelhante porém o cálculo usado seguisse as novas regras, ele poderia alcançar 200 pontos e, assim chegar à faixa 3 — mínima necessária para o credenciamento.

Como as faixas não foram alteradas, `pode-se dizer, sim, que ficou mais difícil ficar com conceitos 1 ou 2`, afirmou.

Em uma simulação feita pela Folha, 8% dos cursos subiram de patamar na escala de 1 a 5 do CPC (Conceito Preliminar de Cursos) e apenas 0,3% foi prejudicado, quando usados o resultado dos cursos das 16 áreas avaliadas em 2011 como se o critério antigo tivesse sido mantido.

O CPC, avaliação de cada curso de graduação do país, faz parte do índice de qualidade da instituição de ensino superior, o IGC (Índice Geral de Cursos).

Influência

`A impressão que dá é que foi realmente feita uma conta para ter um número menor de instituições reprovadas`, considera o professor José Carlos Rothen, da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) e pesquisador de avaliação do ensino superior.

Rothen ressalta que na mudança do cálculo foi incrementado o valor dos índices de infraestrutura e de qualidade do modelo pedagógico, feitos a partir do questionário preenchido pelos alunos e suscetíveis à influência da faculdade avaliada. `São índices que podem receber muita influência da própria instituição, que pode mostrar para os alunos que eles correm o risco de não ter diploma se a nota da instituição não melhorar`, exemplifica.

Outro lado

Para o presidente do Inep, Luiz Cláudio Costa, a mudança não beneficia nenhum tipo de instituição e nem reduz o nível de exigência da avaliação. Segundo ele, as alterações pretendem induzir o aumento do número de professores mestres e doutores contratados pelas instituições.

`Não adianta a instituição ter professores doutores se esses fossem horistas. Chegamos à conclusão de que seria possível mudar a ponderação sem causar prejuízos à avaliação e induzir a melhoria da qualidade`, explicou.

Sobre as críticas em relação ao uso de questionários de alunos para avaliar a qualidade da infraestrutura da instituição e seu modelo pedagógico, Costa afirmou que não há subjetividade no critério. `Quando se tem uma amostra representativa, não se pode falar em subjetividade porque você tem respostas consistentes trabalhadas estatisticamente`.

O presidente também afirmou que as mudanças foram frutos de longas discussões com as comissões de educação, como o CNE (Conselho Nacional de Educação) em que há representatividade da sociedade civil.

Facebook Twitter Email
Read More
Social links powered by Ecreative Internet Marketing